Pela primeira vez nos últimos quatro anos, há um grupo que é líder de vendas no mercado a nível mundial. Pela primeira vez na história, o grupo Volkswagen foi aquele que mais vendeu ao longo do último ano civil, ficando à frente do grupo Toyota. Este resultado surge no mesmo ano em que a fabricante alemã esteve envolvida num dos maiores escândalos do setor automóvel, o dieselgate.

Em 2016, a Volkswagen entregou qualquer coisa como 10,31 milhões de veículos das suas várias marcas do grupo – para além da marca que partilha o mesmo nome, convém também lembrar a Audi, Bentley, Lamborghini, Seat e a Skoda, entre outras. Por sua vez, o grupo Toyota, que detém também marcas como a Lexus e a Scion, vendeu 10,175 milhões de veículos de um total de 10,21 milhões produzidos.

Contudo, não é possível saber, do lado da Volkswagen, a quantidade de veículos produzidos para comparar com aqueles que de facto chegaram ao mercado. “O ano de 2016 foi muito desafiante”, disse um porta-voz da Volkswagen, referindo-se às “alterações” que foi necessário implementar “de forma a resolver a crise do diesel”, que terá afetado cerca de onze milhões de veículos em todo o mundo.

“Teve de se fazer alterações a longo prazo na empresa. Apesar disso, conseguimos estabilizar o negócio sob condições complicadas: o facto de termos entregue mais de dez milhões de veículos aos clientes no ano passado impulsiona o grupo e as suas marcas com uma boa perspetiva para o futuro”, acrescentou o porta-voz.

Estes números simbolizam um crescimento de vendas para a Volkswagen na ordem dos 3.8%, enquanto que a Toyota, que reduziu as duas vendas nos Estados Unidos, registou um aumento em torno dos 0.2%.