gallery wordpress plugin

Mais um dia, mais marcas que mostraram às centenas de retalhistas e jornalistas uma boa parte das suas novidades numa altura em que a SIHH caminha para a reta final.

Esta quinta-feira foi o último dia de apresentações mesmo antes de, pela primeira vez na história, o salão contar com um dia aberto ao público – nesta sexta-feira, dia 20. Veja aquilo que de mais interessante nos passou ontem pelos olhos.

Jaeger LeCoultre // Duomètre Sphérotourbillon

A Jaeger LeCoultre apresentou também novidades da sua linha Reverso, mas este Doumètre reúne “um design marcante, uma função única e um refinamento seguindo a mais pura tradição relojoeira”, segundo a própria marca. Quanto a função única, a Jaeger está a referir-se ao Dual-Wing, um mecanismo que deixa um relógio cronógrafo tão preciso quanto um cronómetro, graças a dois trens de engrenagem dedicados separadamente à função horária e à função de cronógrafo.

Um botão localizado às 2 horas permite “zerar” os pequenos segundos, por baixo do turbilhão, sem que todo o mecanismo do relógio sofra também o efeito “flyback” (voltar “atrás no tempo”). A caixa do Sphérotourbillon é feita em titânio e só o turbilhão é composto por 105 dos componentes, de um total de 460 que compõem o relógio. Tem 33,7 mm de diâmetro.

Ulysse Nardin // Regatta

Com uma ligação forte aos desportos náuticos, com patrocínio aplicado em equipas na America’s Cup, a Ulysse Nardin apresentou o Regatta, com um contador mesmo no meio do mostrado que pode ser estabelecido entre o 1 e os 10 minutos. O objetivo é que os capitães das respetivas regatas tenham noção precisa do tempo que falta para começar mais uma prova, graças não só ao contador mas também ao ponteiro bidirecional dos segundos, que começa a mover-se na verdadeira direção dos ponteiros do relógio quando o contador chega ao fim.

Assim que começa a prova, o Regatta faz também a contagem das horas e minutos no pequena mostrador que se encontra por cima do indicador das seis horas. A caixa do relógio, resistente à água até 100 metros, é feita em aço inoxidável e no total contém 650 componentes.

Hautlence // Playground Labyrinth

Percorra a galeria e encontre o Hautlence. Agora, adivinhe a hora que marca o relógio no momento em que a fotografia foi capturada. Muito provavelmente falhou, isto porque o Playground Labyrtinth… não diz as horas, minutos ou até o próprio dia. O conceito desta peça é dar a quem tem o controlo do seu próprio tempo com um “objeto inteiramente essencial, mas fundamentalmente inútil”, segundo a própria Hautlence.

Este é o primeiro modelo da coleção Labyrinth que apenas mostra um labirinto, através do qual uma bola tem de chegar de um buraco ao outro. Assim que o objetivo é conseguido, a coroa do “relógio” é ativada para poder levar a bola de um lado para o outro, quando rodada. Esta é uma coleção “de jogos mecânicos intemporais uma tentativa de recuperar o tempo perdido”, diz a marca.

H. Moser // Mad Watch

Numa primeira vista, este parece um relógio que não foge muito ao normal: caixa circular, de 32 milímetros, movimento manual, indicador do poder de reserva na parte traseira e um mostrador bastante simples, sem qualquer indicação da marca ou de “Swiss Made” – aliás, esta última indicação vai ser abolida pela H. Moser por não cumprir o seu verdadeiro propósito, sendo substituído por um certificado criado pela própria.

Mas o grande diferencial do relógio está na caixa, que, apesar de realmente parecer normal… é feita de queijo 100% pasteurizado, uma iniciativa única no mundo. Naturalmente, o produto foi trabalhado de forma a não deitar qualquer tipo de cheiro e, bem, conseguir aguentar-se firme e sólido no pulso do seu comprador durante todo o dia, como é dito no próprio vídeo. O Mad Watch tem um preço base superior a um milhão de euros, e parte do dinheiro angariado vai para uma fundação destinada a ajudar manufaturas em dificuldades.