Decidiu deixar de fumar? Deixámos no ar a pergunta sobre quais as consequências nos dentes e na saúde oral e decidimos ir em busca da resposta. O Dr. Miguel Stanley, médico dentista, ajudou-nos a esclarecer não só os efeitos do fumo, mas também do álcool.

“Alguns estudos mostram que um consumo moderado de álcool (até 2 copos por dia) pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares e ataques cardíacos, concretamente devido aos antioxidantes que encontramos no vinho tinto. O tabaco e o álcool consumidos em excesso são prejudiciais tanto para a saúde geral como para a saúde oral. Estes trazem um risco agravado de cancro oral, da faringe e laringe.

O consumo de tabaco é uma das principais causas de cancro oral em todo o mundo. Segundo o National Institute of Dental and Craniofacial Research, os fumadores têm um risco três vezes superior aos não-fumadores de vir a ter cancro oral. Entre os efeitos nocivos do álcool e do tabaco, estão também as doenças periodontais (que afetam os tecidos de suporte dos dentes: gengiva e osso), as manchas nos dentes e o mau hálito.

Quando estamos perante cessação tabágica e de álcool há uma melhoria significativa na saúde gengival, que a longo prazo tem efeito positivos nos tecidos periodontais, aumentando a longevidade e a saúde dos seus dentes na cavidade oral. Para além disto não se esqueça dos benefícios estéticos que trará ao seu sorriso, que passará a estar bem mais branco e o seu hálito mais fresco – que torna qualquer homem mais confiante.”

Acompanhe os esclarecimentos sobre saúde oral do Dr. Miguel Stanley, neste espaço. Vamos explorar os seus conhecimentos de medicina dentária para tirar dúvidas. Até lá, pode já encontrar algumas palavras sábias de Stanley no Especial Corpo da edição de outubro, nas bancas.